A fidelidade de José - Pr. Eri Carlos

Defendendo o Campo de Lentilhas-Pr. Eri Carlos

Senhor, mostra-me o Teu Caminho

Resgatando as Ovelhas Perdidas

Resgatando as Ovelhas Perdidas
Jesus é o Bom Pastor. O bom pastor dá sua vida pelas ovelhas, ele deixa as 99 no aprisco e busca a que se desgarrou, trazendo-a em seus ombros. Enquanto perdemos nosso tempo com coisas supérfluas, muitas ovelhas estão perdidas e cabe a nós a missão do IDE para resgatar tais ovelhas que se desgarraram do aprisco do Senhor Jesus. Há uma estatística no Brasil de que 40 milhões de evangélicos pararam na beira do caminho, isso sem contar aqueles que não tiveram um encontro real com o Senhor. Não cabe a nós julgar a razão ou os "porquês", mas precisamos fazer alguma coisa para que o adversário de nossas almas não venha a se regozijar, e que o Reino de Deus venha a ser acrescentado com o número dos que hão de se salvar. Se você está desanimado ou parou nesta caminhada gloriosa, em nome do Senhor Jesus retome sua caminhada e seja um soldado de Cristo. Lembre-se que Ele deu a própria vida na cruz do calvário por mim e por ti e ainda nos garante a salvação. Deus te abençoe! Pr. Eri Carlos

Louvores Escritos

Livretes Cristãos

Bíblia OnLine

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Estudos Bíblicos

A arca ainda é o melhor lugar

       Quando Deus criou os céus e a terra, havia razões específicas para criar o mundo, ou seja, para sua glória e honra.
Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento, a obra de suas mãos. (Sl 19:1; 8.1).

       Deus criou Adão e Eva à sua imagem e semelhança para que eles o adorassem, bem como para substituir o anjo caído Lúcifer, o qual tinha se rebelado contra o criador.

          O homem foi colocado no jardim do Éden para lavrar e guardar a terra e usufruir todo fruto que lá possuía, com exceção da árvore do conhecimento do bem e do mal.

O Senhor dá uma ordem explicita para que não comessem o fruto dessa árvore, pois se comessem estaria transgredindo e certamente morreriam. Deus queria obediência e lealdade e adoração por parte de sua criação.

          Tudo que foi criado, bem como os animais e as aves são para renderem louvores a Deus (Sl 98:7-8; 148.1-10: Is 55:12).

          Deus espera muito mais dos homens para renderem lhe graça e adoração, pois foi criado como um ser trino, tendo corpo, alma e espírito, possuindo mente, emoção e vontade própria para ter fidelidade, lealdade e gratidão ao Senhor.

         
A origem do pecado

Antes da formação do homem, Deus havia criado os anjos para o adorarem. Os anjos se dividiam em serafins, querubins, arcanjos e anjos, sendo um exército organizado, ainda tendo patentes como no exército.
A criação dos anos está inserida em Gn 1:1, os quais tem vontade própria, porém são um exército absolutamente obediente a Deus.
          Os anjos são chamados também de estrelas, conforme Jó 28:7 e viviam em grande harmonia e alegria.
          Um dos querubins chamado de Lúcifer era muito formoso e tinha um título muito especial de “Querubim da Guarda Ungido”, o qual era separado para dirigir a adoração a Deus.

          Ungido quer dizer alguém muito especial e separado para fazer a obra de Deus, assim como no Velho Testamento vemos os sacerdotes os reis e os profetas que eram ungidos com azeite.
         
O óleo (azeite) significa Espírito Santo sobre as pessoas e hoje somos sacerdotes da igreja de Cristo. Temos a unção do Espírito Santo sobre nós.

          Em determinado momento Lúcifer se impressiona com sua beleza e sabedoria, se rebela contra Deus, querendo desviar a adoração para ele próprio.
De fato entrou cinco “eus” em sua mente (Isaias 14:12...) e nessa rebelião não estava só, pois um terço dos anjos aderiram e o seguiram, nascendo então o pecado.

Em virtude da desobediência e do pecado esses anjos foram lançados do céu com sua pena decretada e hoje estão por ai como demônios, dos quais, Lúcifer é a cabeça.
“E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele”. (Apocalipse 12:9).

Deus permitiu que satanás dominasse o mundo para concretizar completamente o pecado e para que manifeste em toda sua plenitude.
Quando satanás revelar totalmente o pecado, ou seja, tudo que tem no “seu coração” contra Deus, aí sim será julgado e banido com seus seguidores no lago de fogo e enxofre para todo o sempre.

O pecado do homem

Satanás estava no Éden e em dado momento incorporou na serpente e iludiu a Eva dizendo que se comesse do fruto seriam iguais a Deus, sabendo o bem e o mel.
Mais uma vez Deus tem uma decepção, pois agora é a raça humana que comete pecado.
Eva se rende a oferta de satanás e seduzida come do fruto proibido, oferecendo a Adão que também aceitou.
Ambos conheceram o pecado pela transgressão da ordem dada por Deus, tendo agora morte moral e espiritual perante o Senhor.
Agora nasce a natureza pecaminosa por saírem da comunhão plena com Deus, pois o homem também quis ser igual a Deus, traindo sua confiança e O decepcionando.
Adão e Eva foram expulsos do paraíso e passaria a enfrentar as adversidades físicas, com lutas, labor e finalmente a morte para si e seus descendentes.


O plano de Deus

Deus em sua infinita misericórdia faz uma promessa grandiosa para salvar a raça humana da condenação eterna, em virtude do pecado.

“E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”. (Gênesis 3:15).

Como o homem é preciossísimo ao Senhor foi lhe concedido oportunidade de redenção àqueles que se arrependerem de seus planos e voltarem a origem que foram criados, adoradores do Deus altíssimo.

No Capítulo 3:15 de Gênesis há uma profecia do conflito espiritual entre a “semente” da mulher (Jesus Cristo) e a “semente” da serpente (satanás e seus adeptos).
Também nasceria o Cristo de uma mulher, seria ferido e crucificado, mas ressuscitaria entre os mortos para destruir satanás o pecado e a morte, salvando assim a humanidade que reconhecer seu sacrifício.  (Isaias 53:5; Mateus 1:20-23; João 12:31; Atos 26:18; Romanos 5:18-19; 16:20; I João 3:8 e Apocalipse 20:10).

 

Os filhos de Adão


Nasceram de Eva e Adão dois filhos: Caim e Abel. Abel foi moço pacífico e apascentava ovelhas, enquanto que Caim lavrava a terra.

Deus aceitava com prazer as ofertas de Abel que eram de coração sincero, porém quando Caim ofertava ao Senhor não era com sinceridade e sua oferta era rejeitada.

O pecado acompanha o homem e Caim pela dureza de coração e inveja mata a Abel.
Caim é amaldiçoado por Deus pela sua ação e falta de arrependimento, pois não se humilhou, vivendo à sua maneira.
Da geração de Caim descende a civilização humana até hoje desviada de Deus.

Mais tarde nasce de Adão e Eva outro filho de nome Sete, significando “Substituto”.

Sete gerou a Enos; Enos gerou a Cainã; Cainã gerou a Maalaleu, Maalaleu gerou a Jerede; Jerede gerou a Enoque que depois de 65 anos andou com Deus e viveu 365 anos e o Senhor o tomou para Si.
Enoque gerou a Matusalém que viveu 969 anos e Matusalém gerou a Lameque e Lameque gerou a Noé.

Do Nascimento de Sete oito gerações se passaram e agora a terra havia se corrompida e estava cheia de violência.

Deus decide acabar com a raça humana pela desobediência, porém vê em meio a toda iniqüidade um varão justo e reto que O buscava de todo coração.

A arca e os sete dias de espera


Estava Noé com quase quinhentos anos e Deus lhe fala para construir uma arca, dando-lhe toda a planta das medidas e do material a ser construída.
A arca seria para salvar aqueles que dessem ouvidos ao Senhor e voltassem a viver conforme a vontade do Senhor e recomeçar tudo novo.
Noé construía e apregoava sobre o dilúvio que Deus mandaria sobre a face da terra, em virtude da desobediência da humanidade.
O povo não dava ouvidos à suas palavras, criticavam e zombavam dele.

Durante aproximadamente 100 anos Noé se dedicou à construção da arca, conforme Deus lhe ordenara.
Após o término da arca Deus manda que Noé armazene alimentos no seu interior, pois animais de toda espécie iriam embarcar juntos, sendo sete machos e sete fêmeas dos animais e aves puros e um casal dos impuros.
          Entraram na arca de dois em dois (casal) e Noé com sua esposa, seus três filhos e suas três noras.

          Noé esperou sete dias dentro da arca até que iniciasse o grande dilúvio anunciado por Deus. (Gênesis Cap 7:4).
         
Durante essa espera, pela fé podemos ouvir os gritos de zombaria das pessoas, dizendo que Noé estava fora de si com aquela idéia de dilúvio.
Creio que Noé reuniu sua família e com plena convicção do que iria acontecer os admoestou a não se preocuparem com os insultos e impropérios que eram lançados.
Noé esperou com paciência, esperança, crendo nas promessas do Senhor e após os sete dias iniciou o dilúvio anunciado.

O povo que antes não dera atenção à voz do Senhor, começa agora a ver a grande realidade acontecendo pela causa de seus próprios pecados e desobediência.

Quem sabe muitos chegaram a bater na porta da arca, pedindo para que Noé abrisse para eles entrarem e se salvarem, mas a arca foi fechada por Deus e não havia mais tempo para se arrependerem. (Gênesis 7:16).

Nos dias atuais podemos contemplar as profecias do Senhor se cumprindo, onde pela fé cremos que Jesus está preste a buscar a arca (a igreja do Senhor) para estar consigo para sempre.

“E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem”. (Mateus 24:37).

Da mesma forma que aconteceu com Noé, está acontecendo em nossos dias atuais e vemos a desobediência dos povos se desviando da vontade de Deus para cumprimento de Sua Palavra.
Homens amantes de si mesmo e sem escrúpulos fazem de tudo pela ganância do dinheiro e poder.
A idolatria está cada vez mais se aflorando o homossexualismo o lesbianismo aumenta assustadoramente e ainda tem quem queira formalizar o casamento entre essas pessoas como sendo algo natural e normal.

Na arca entrou macho e fêmea e desta forma Deus criou, sendo o que passar disso é procedência maligna.

A falta de Deus no coração leva muito ao suicídio e a ao homicídio. Quanta mãe tem chorado amargamente vendo seus filhos no mundo das drogas e prostituições.

A iniqüidade e a apostasia o desvio do genuíno evangelho de Cristo crescem como erva daninha e muitos estão mergulhando de cabeça para perdição eterna.
O homem se afasta cada vez mais da originalidade para que foram formados: adoradores do Deus vivo e está vivendo conforme sua própria vontade.

O apóstolo João dizia: Filhinhos, é já a última hora... (I Jo 2:18), creio que estamos vivendo os últimos segundos, assim como nos dias de Noé.

O Evangelho precisa se expandir mais e mais para que o Senhor venha busca a Sua arca com todos seus escolhidos, saindo do meio deste mundo de ingratidão, corrupção e amargura.


O dilúvio

 Durante quarenta dias e quarenta noites choveu torrencialmente, inundando toda face da terra. A chuva foi tanta que cobriu os cumes dos grandes montes e montanhas e todo ser vivente da terra se expirou, sobrevivendo apenas Noé, sua família e os animais que estavam na arca.

Na arca os animais estavam todos juntos, como por exemplo: gato, rato, cachorro, Leão, cobra, jacaré, girafa, hipopótamo, onça, veado, etc., bem como pássaros e aves de toda espécie.

No momento que Noé trazia o alimento, imagina o barulho ensurdecedor que ocorria na arca e a alegria que ficavam os animais, uns urravam, outros berravam, outros mugiam, alguns zuniam, outros cantavam, outros cacarejavam, etc., pois sabiam que o bom homem os alimentava e todos estariam saciados.

Na hora da Palavra (alimento Espiritual) o verdadeiro cristão se alegra e glorifica ao Senhor pelo cuidado do Pai com seu filho, alimentando-o para que se fortaleça cada vez mais na fé em Jesus Cristo.
A igreja representa a arca, onde vários irmãos de toda raça e cor fazem parte dela, enquanto estão neste mundo de passagem, pois não fazemos parte dele.

O dilúvio foi o castigo divino sobre um mundo ímpio e apóstata. O apóstolo Pedro se refere ao dilúvio para que relembremos que Deus julgará novamente o mundo inteiro com fogo.
“Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão”.(II Pe 3:10).

No julgamento a ira de Deus derramará sobre os ímpios de tal maneira como nunca houve (Mt 24:21).

 

As águas baixam


          Deus não fala com Noé durante cento e cinqüenta dias (Gênesis 7:24), provando sua fé, pois Noé não tinha idéia como estava as águas se já haviam baixado ou se Deus interagia nalguma situação, era uma incógnita.

          Há momentos em nossa vida que Deus não fala, nem responde conforme pensamos, mas o Senhor está provando nossa fé e perseverança na Sua presença, mas com certeza no momento certo ele agirá a nosso favor.

No sétimo mês a arca repousou sobre os montes Ararate e no décimo mês apareceram os cumes dos montes (Gênesis 8:4-5).

 

Mais quarenta dias e Noé abre a janela da arca, soltando um corvo para ver se era possível sair da arca. O corvo voou e não encontrando local para pousar voltou a arca.

         
          Ao ver que as águas tinham diminuído sobre a face da terra, Noé solta uma pomba que também vai e retorna a arca, pois ainda as águas pairavam sobre a face da terra.

Depois de sete dias a pomba é solta novamente e volta com uma folha de oliveira em seu bico, mostrando que as águas já haviam baixado e as árvores estavam aparecendo.

Mais sete dias de espera e a pomba não retorna arca, ficando claro a Noé que agora a vitória estava prestes a chegar.

As três saídas da pomba da arca

A pomba foi solta três vezes, significando as três descidas do Espírito Santo.
-        1ª vez – a pomba foi sobre as águas e voltou – o Espírito Santo pairava por sobre as águas (Gn 1:2).

-        2ª vez a pomba foi e voltou com um ramo de oliveira – significando a unção do azeite – ramo de oliveira – Unção dos Profetas, Sacerdotes e Reis.

-        3ª vez foi e não voltou - significando a descida do Espírito Santo – Joel 2 e Atos 2 – Jesus disse que iria para o Pai, mas deixaria o Espírito Consolador.

O profeta Joel profetizou que nos finais dos tempos, antes que venha o grande dia do Senhor e o sol se converta em trevas, haveria um grande derramamento do Espírito de Deus sobre toda carne.


Deus abençoe!             Pastor Eri Carlos

Estudos Bíblicos

O preço de uma renuncia

“Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me”. (Mt 16.24).

Renunciar: abdicar; desistir do que mais gosta, abandonar o que dá mais prazer, etc.

Renuncia cristã: deixar para trás
Esquecer os interesses próprios e renunciar as concupsciências (vontades) mundanas da carne e seguir a Jesus Cristo.

“Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente”. (Tt 2:12)

Renunciar a si mesmo, vale a pena

Abraão renunciou os apegos pessoais e muitos bens materiais, obedecendo a uma ordem expressa de Deus. Ele saiu de Ur dos Caldeus para uma nova terra, com isso se dava início às promessas de uma geração incontável como as estrelas do céu e a areia da praia do mar. (Gn 12).
Hoje podemos ver pelos olhos da fé a incontável descendência de Abraão da qual também fazemos parte.
Moisés foi outro exemplo que renunciou o trono do Egito e toda glória humana para se tornar um instrumento nas mãos do Senhor e retirar um povo cativo para a liberdade, dando uma nova oportunidade de recomeçar suas vidas. (Ex 3...).

“Assim, pois, qualquer de vós, que não renuncia a tudo quanto tem, não pode ser meu discípulo”. (Lc 14:33).

Alguns têm um chamado especial e pedem a Deus uma oportunidade para renunciar a tudo e fazer unicamente a obra do senhor.
         
Quem irá?

O profeta Isaias teve uma visão grandiosa vendo o Senhor assentado em Seu trono juntamente com sua comitiva de anjos adoradores.
          Os serafins sobrevoavam o Senhor e tinham seis asas, duas cobrindo os rostos, duas asas cobriam os pés e duas voavam e cantavam alegremente: “Santo, Santo, Santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória”. (Is 6:1-3).
          Nesta visão foi revelado um dos temas principais do livro, sendo que a glória, majestade e a santidade de Deus é requerida a todos os que servem.
          Fica evidente que o Senhor requer da sua igreja um compromisso de verdadeiros adoradores, onde Deus é santo e Senhor de todos.
          Precisamos quebrantar nosso coração para que seja purificado e seguir o chamamento glorioso da parte de Deus.
          Os serafins adoram o Senhor todo o tempo e desta forma também estaremos na glória o adorando para sempre.

          Renuncie, seja um adorador, adore ao Senhor Jesus!

          As seis asas dos serafins

          As duas asas cobrindo os pés significam que devemos guardar os pés quando entrarmos no santuário do Senhor, bem como andar em santidade diante de Deus.

“GUARDA o teu pé, quando entrares na casa de Deus; porque chegar-se para ouvir é melhor do que oferecer sacrifícios de tolos, pois não sabem que fazem mal”. (Eclesiastes 5:1).

          As duas asas cobrindo o rosto nos mostram que devemos ter humildade e reverência na presença de Deus e jamais querer a glória para si mesmo, ninguém rouba a glória de Deus.

“Eu sou o SENHOR; este é o meu nome; a minha glória, pois, a outrem não darei, nem o meu louvor às imagens de escultura”. (Isaías 42:8).

As duas asas sobrevoando significa a capacidade de locomoção para realizar a vontade e obra do Senhor. Deus nos guarda em baixo de suas onipotentes asas para que haja o devido descanso.
“AQUELE que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará”. (Salmos 91: 1)

          Depois de purificado Isaias é designado a profeta e se predispõe a realizar o desejo do coração de Deus. Esse trecho nos faz lembrar do Senhor Jesus ressurreto, ordenando que fosse proclamado o evangelho de salvação para o mundo.
          Após sua morte e ressurreição ainda na terra, Jesus disse que lhe era dado todo poder no céu e na terra. Disse ainda para fazer discípulos em da nação batizando em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo.
          Para consolo de nossas almas Jesus disse para guardar Suas palavras e que ele estaria conosco todos os dias até a consumação dos séculos. (Mt 28-18-20).
          Isaias contemplou a visão e ouviu a voz do Senhor e prontamente se predispôs em fazer a obra do Senhor.
“Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim”. (Isaías 6:8).

          Isaias foi um profeta consagrado a Deus, profetizando o que estava para acontecer o julgamento e salvação, inclusive citando várias vezes sobre a vinda de Jesus sobre a face da terra.
Ele se prontificou em ser enviado a proclamar o que Deus tinha para Seu povo e o fez com esmero e dedicação.

Os primeiros discípulos de Jesus

João Batista pregava em Betânia, do outro lado do rio Jordão e enquanto batizava, viu a Jesus e disse: Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1:29).
João dizia que batizava com água, mas que Jesus batizava com o Espírito Santo e com fogo.
No outro dia João Batista estava em companhia de dois de seus discípulos, sendo um deles André, irmão de Simão Pedro.
Quando Jesus passava João disse; “Eis aqui o Cordeiro de Deus”.(Jo 1:36).
Nesse momento os dois discípulos ouvindo, seguiram deixaram a João a Jesus, passando agora a ser discípulo do Mestre dos mestres e Rei dos reis.

Outros discípulos seguiram a Jesus e iniciava então o ministério de salvação da Nova Aliança. Jesus percorria toda Galiléia ensinando nas sinagogas, e pregando o evangelho do Reino de Deus, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo.(Mt 4:23).

Renunciar tudo por Jesus

“Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me”. (Mt 16.24).

Quando aceitamos a Jesus como único e suficiente Salvador, cumprindo suas santas palavras: “Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Marcos 16:16), damos início numa nova vida em Cristo Jesus.

O primeiro passo é crer no Senhor Jesus e arrepender-se dos pecados, renascendo nas águas batismais uma nova criatura e segui-lo em novidade de vida. (Rm 6:4).
Começa agora um nova vida em Cristo, renunciando as vontades pecaminosas da carne, saindo do plano carnal e vivenciando uma vida espiritual cheia de gozo, liberdade e alegria no Senhor.
Aquele que se entrega ao Senhor Jesus de todo coração têm inicio numa vida próspera de paz e harmonia, deixando de ser escravo do pecado e dos vícios para uma vida de santificação na presença de Deus.
Renunciar ao mundo e suas concupsciências é um requisito básico para seguir a Jesus, pois a luz não tem comunhão com as trevas.

Quantas vidas estão destruídas por não ter a devida paz com as pessoas ou consigo mesmo.
Muitos lares estão destruídos por não terem uma vida plena em Cristo que é o único caminho verdade e vida e o único mediador entre Deus é o homem.
Outros estão envolvidos com os vícios e dependem da droga para ter um “aparente” e breve momento de prazer, mas que conduz diretamente para o abismo sem fim.
Jesus é o único que pode dar alívio as nossas dores e sofrimento, proporcionando o alívio para nossas almas.

Abandone o pecado e seja um dependente de Jesus!

O apóstolo Paulo abandonou o farisaísmo no momento em que teve um encontro com o Senhor e iniciou uma nova etapa em sua vida como seguidor e defensor do evangelho do Senhor Jesus.
O alvo de Paulo era ver o caráter de Cristo formado em seus filhos na fé.
O novo nascimento não é uma reforma do velho Adão (a velha natureza).
O novo nascimento é um ato criativo do Espírito Santo.
O velho homem não pode ser melhorado ou reformado. O novo homem é Cristo “formado” no cristão.

Deus não que crentes:
·       Deformados;
·       Conformados
·       Reformados
·       Melhorados.

Deus quer o crente “transformado” (formado pelo Espírito) em novidade de vida.

“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (II Co 5:17).

Servir a Deus é algo sublime que nos transforma a cada dia nossas ações em frutos dignos de arrependimento e tudo isso é pela misericórdia do Senhor.

“Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento”. (Mt 3:8).
Crente completo, apresenta culto completo a Deus.

A missão dos discípulos

Jesus envia os primeiros discípulos pelas aldeias numa missão nobre de anunciar o Reino de Deu, dando-lhes autoridade de expulsarem os demônios e curarem os enfermos. (Mt 10:1...)

Jesus deu-lhes instruções para não temer e a todos que o receberem a Jesus o recebe e quem perder sua vida por amor de Cristo achá-la-á.
Os discípulos foram e voltaram maravilhados, dizendo que enfermos eram curados e até os espíritos imundos os obedecia.
Jesus, porém lhes dizia: “não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos antes por estarem os vossos nomes escritos nos céus”. (Lucas 10:20).

Logo após a ascensão de Jesus, iniciou-se através dos apóstolos e discípulos o ministério do “Ide” e podemos ver pela Palavra que houve um crescimento acentuado do evangelho:
·       Atos 1:13 – doze apóstolos
·       Atos 1:15 – quase 120 pessoas
·       Atos 2:41 – quase 3.00 pessoas
·       Atos 2:47 – todos os dias almas eram salvas
·       Atos 4.4 – quase 5.000 almas
·       Atos 5.14 – multidões crescia cada vez mais
·       Atos 6.1 - crescia o número de discípulos
·       Atos 6.7 - multiplicava o número de discípulos
·       Atos 8.4  - os que fugiam de Jerusalém pregava em Samaria
·       Atos 9.31 – igrejas se multiplicavam em toda a Judéia, Galiléia e Samaria.
·       Atos 9.35 – todos os habitantes de Lídia e Sarona se converteram ao Senhor
·       Atos 9.42 – por toda Jope muitos creram no Senhor
·       Atos 11.19 – evangelização dos judeus na Fenícia, Chipre e Antioquia.
·       Atos 11.20,21 – grande número de salvos em Antioquia
·       Atos 11.24 – a palavra de Deus crescia e se multiplicava
·       Atos 14.1 uma grande multidão foi salva em Icônio
·       Atos 16.5 – as igrejas cresciam em número
·       Atos 17.4 grande multidão creu em Tessalônica
·       Atos 18:4 – muita gente salva em Corinto
·       Atos 19>10 todos os habitantes da Ásia ouviram a Palavra
·       Atos 21.20 – milhares de judeus creram.

Aquele que se predispõe a ter uma vida missionária ativa, terá que ter em mente passará por momentos difíceis, mas o Espírito Santo o acompanhará e também terá a recompensa por tudo que fizer em prol da obra do Senhor.
Sempre que houve um derramamento do Espírito Santo, o resultado foi num grande movimento de Missões mundiais.
O Espírito Santo é o guia das missões, sendo prova dia o que aconteceu no Dia de Pentecostes, estando presente os representantes das nações debaixo do céu (At 2:5).

Renunciar ao mundo e seguir a Cristo e fazer missões vale a pena, pois o que Jesus foi nos preparar na glória é algo maravilhoso e indizível, mas que é garantido pela Sua Palavra àquele que o seguir até o fim.

“Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, São as que Deus preparou para os que o amam”. (I Coríntios 2:9).

Deus abençoe a todos! Pr. Eri Carlos



quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Estudos Bíblicos


É preciso cavar


“E tornou Isaque e cavou os poços de água que cavaram nos dias de Abraão seu pai, e que os filisteus entulharam depois da morte de Abraão, e chamou-os pelos nomes que os chamara seu pai”. (Gn 26:28).

     O valor da água

     O Brasil é um país rico em lençóis freáticos e abundantes em água nas diversas regiões, mas mesmo assim dentre os Estados brasileiros, principalmente na região norte, sofrem constantemente pela falta de água.
      
     Quantas famílias tem perecido ou vivem em estado de miséria em virtude da falta d’água para a plantação, bem como para sua própria sobrevivência.

     No oriente médio o valor da água é imensurável, pois naquela região a água é como ouro, muito difícil de conseguir.

     Nosso corpo é composto por 70% de água e necessitamos constantemente deste líquido tão precioso para nossa sobrevivência.

De acordo com entendidos, sem o alimento uma pessoa poderá resistir por 40 dias, mas sem água, por apenas três dias.
A falta de água no organismo reduz o volume de sangue, provoca perda da coordenação motora, desmaios e cãibras. Há estimativas da ONU de que anualmente, cinco milhões de pessoas no mundo morram em decorrência de enfermidades causadas por água contaminada.

Sabia, também, que é por falta de água que a pele se torna enrugada, quando envelhecemos?
Todas as pessoas necessitam beber de 2 a 3 litros de água por dia!

Podemos comparar a água com as bênçãos que precisamos e necessitamos, tanto espiritualmente, como materialmente.

O crente necessita ser saciado pela fonte da água vida para que não pereça, mas tenha a vida eterna e para isso é necessário “cavar” as bênçãos.

As promessas continuam
         
     Deus escolheu a Abraão para ser o pai da fé, pela sua obediência e exemplo de fidelidade estampada nas páginas da Sagrada Escritura.

     Tão logo ouviu a voz do Senhor, o obediente Abrão com a idade de 75 anos, deixou Ur dos Caldeus e prosseguiu avante para onde Deus lhe ordenara e fossem cumpridas as promessas em sua vida.

     Deus lhe prometera uma descendência incontável como as estrelas do céu e a areia do mar.

“Que deveras te abençoarei, e grandissimamente multiplicarei a tua descendência como as estrelas dos céus, e como a areia que está na praia do mar; e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos” (Gênesis 22:17).


Abraão foi o homem que mais edificou altares para o Senhor Deus.
Com todas as dificuldades no trajeto, Abraão jamais desistiu, mas seguiu em frente, pois sabia o que lhe esperava.

Abraão acabou descendo ao Egito, apanhando um fardo (Hagar) pela sua displicência e por Sara não entender o trabalhar do senhor. Desta incontinência nasceu a Ismael, mas mesmo assim Deus não abandonou as promessas feitas a Abraão.

Estava Abraão com a idade de 99 anos, quando o Senhor lhe apareceu dizendo para ele ser perfeito que a partir daquele momento seria o pai de uma grande nação. (Gn 17).

Abraão não tinha filhos com Sara, mas o Senhor abriu a madre de sua esposa a qual lhe deu um menino, dando lhe o nome de Isaque.

Certa vez Deus provou grandemente a fé de Abraão, pedindo seu Filho Isaque em holocausto no monte Moriá. (Gn 22).
Foi uma prova de fogo, mas quando Abraão iniciou a execução, Deus viu sua fidelidade e a renúncia suprema.
Abraão era um homem temente a Deus e fazia tudo que lhe fosse pedido, foi quando o Senhor interceptou e não permitiu que tal sacrifício fosse realizado, e preparou um carneiro para a oblação.

Muitas vezes Deus prova a fé de seus escolhidos, para engrandecê-lo conforme sua vontade, realizando seus propósitos de redenção.

“Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo” (I Pedro 1:6-7).

A confiança do crente é que depois de uma prova de fé, Deus confirma a benção, fortalece e o recompensa pela sua fidelidade e obediência.

Isaque e as promessas do Senhor


Abraão manda seu servo buscar uma mulher para Isaque entre sua parentela, o qual chegando naquelas terras viu uma moça prendada e pediu confirmação ao Senhor. Em virtude de ter buscado de coração, Deus confirmou a escolhida ao servo que trouxe Rebeca para ser esposa de Isaque.

“Os passos de um homem bom são confirmados pelo Senhor, e ele deleita em seu caminho” (Sl 37:23).

Fica registrado que todo crente deve esperar a direção do Senhor que o guiará fielmente, como guiou o servo de Abraão.

Isaque casa com Rebeca a qual tinha o mesmo problema de sua mãe sara, ou seja, ela era estéril e não podia gerar filhos.
  
Nesse ínterim a Bíblia relata que Abraão viveu farto de dias e morreu depois de cumprir sua gloriosa missão.
Agora Isaque ora constantemente e pede a Deus um filho para dar continuidade às promessas e descendência, e, o Senhor ouve suas orações abrindo a madre de Rebeca dando-lhe dois Filhos.

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á”. (Mt 7:7).

Deus disse que nasceriam duas nações, sendo um povo mais forte que o outro e que o maior serviria o menor. (Gn 25:23).

Nasceram os gêmeos Esaú e Jacó, sendo que o segundo nasceu agarrado sua mão ao calcanhar do primeiro.

Esaú foi homem de caça, enquanto que Jacó era mais pacífico e varão camponês.

Posteriormente Esaú vende sua primogenitura por um prato de lentilhas, dando mais valor as coisas materiais do que as espirituais. Isso custou muito caro, pois a primogenitura consistia na liderança, o direito a bênçãos do Senhor.

Esaú não valorizou o que Deus tinha lhe dado, preferindo trocar as bênçãos por momentos de prazeres, porém Jacó desejou às bênçãos espirituais do futuro, vindo de sua parte as doze tribos de Israel.

“PORTANTO, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus”. (Colossenses 3:1).
       
     Fome na terra

     Assim como nos tempos de Abraão, também houve fome na terra nos dias de Isaque.

     Isaque foi até Abimeleque, rei dos filisteus em Gerar, quando o anjo do Senhor lhe apareceu dizendo para não descer no Egito, mas ir para terra que lhe seria dito que sua semente seria multiplicada.

     Isaque habitou em Gerar e alguns varões daquele lugar perguntaram acerca de sua mulher, pois Rebeca com certeza era muito formosa.

     A história se repetia, assim como foi com seu pai Abraão, Isaque também diz que rebeca é sua irmã, em virtude de temer pela sua vida.

     Certa vez Abimeleque viu Isaque brincar com Rebeca e percebeu que não se tratava de sua irmã e sim sua esposa e chamou sua a atenção pelo acontecido.

     No Mundo diz que a mentira tem perna curta e em provérbios diz: “Suave é ao homem o pão da mentira, mas depois a sua boca se encherá de cascalho”. (Provérbios 20:17).
     Deus é misericordioso e não permitiu que ninguém tocasse em Rebeca e ainda colocou no coração do rei para que protegesse a ambos.


     É preciso cavar

     Isaque começa a prosperar grandemente naquela região e tinha posse de muitas ovelhas e vacas e muita gente ao seu dispor para servi-lo.
Aonde Isaque colocava sua mão, prosperava era abençoada. Assim é a vida do verdadeiro cristão, sendo uma benção nas mãos do Senhor e tudo que o Senhor nos concede é para que sejamos bons administradores, afinal tudo é do Senhor.

Também veio a inveja por parte dos filisteus e encheram de entulho os poços que serviam para saciar a sede das pessoas e dos animais, os quais foram cavados por Abraão.

O rei Abimeleque também se deixou levar pela inveja e se preocupou com o poderio e prosperidade de Isaque, mandando-o a se apartar do seio deles.

Quando o servo de Deus começa a prosperar, tanto materialmente e principalmente espiritualmente o inimigo se levanta com todo furor.
Não importa, mesmo que tentam impedir o rompimento e o progresso do Cristão o Senhor dá a direção certa e conduz, conforme sua vontade para a vitória.

Agora Isaque sai da presença do rei Abimeleque e vai habitar no vale de Gerar.

Às vezes é necessário passar pelo vale, mas sempre lembramos que não estamos a sós, mas na companhia preciosa do Senhor Jesus.

“Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam”. (Salmos 23:4).

Isaque cavou poços de água que seu pai havia feito e que os filisteus entupiram, limpando-os.

Não adianta o inimigo querer tapar nossos sonhos, pois Deus fortalece para que sejam reabertos e com bênçãos em abundância.

Os servos de Isaque cavaram um poço e encontrou águas vivas, dando lhe o nome de Ezeque que significa contenda. Novamente os moradores daquele local contenderam com Isaque, dizendo que o poço era deles.

Mesmo com toda luta a persistência de Isaque era admirável e cavaram outro poço também de águas potáveis, sendo chamado de Sitna que significa inimizade, pois houve luta.

Em seguida partiu dali e cavou outro poço o qual foi lhe dado o nome Reobote, que significa alargamento. Neste local houve calmaria e Isaque disse: “Porque agora nos alargou o Senhor e crescemos nesta terra”. (Gn 26:22).

Em seguida subiu até Berseba e o Senhor lhe apareceu naquela noite dizendo: “Não temas, porque eu sou contigo, e abençoar-te-ei, e multiplicarei a tua semente por amor de Abraão meu servo” (Gn 26:24).

Deus poderia ter enviado Isaque para morar na beira de um rio, ou numa região que chovesse constantemente, mas ao contrário enviou-o numa região árida para que pudesse ganhar experiência para passar as provas.
Facilidade não gera experiência e muitas vezes deixa o crente acomodado.
Quem tem tudo fácil, não dá o devido valor e poderá perder com facilidade.
“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz à paciência, e a paciência a experiência, e a experiência a esperança. (Rm 5:3-4)”.
Naquelas terras havia água em abundância, mas era necessário iniciativa para cavar, em virtude de se encontrarem em grande profundidades.

O crente não deve fazer como o marinheiro preguiçoso que não mergulha e fica apenas na superfície apanhando garrafas, plásticos, entulhos, etc, mas fazer como o marinheiro persistente que mergulha no fundo e acha tesouros incríveis.

É preciso ser compromissado com a obra do Senhor e se envolver de corpo, alma e espírito, emergir totalmente, sem medir dificuldades.
Naqueles tempos para encontrar água era necessário se esforçar cavando para encontrar o precioso líquido.

Recordo que no interior muitos usavam um galho tipo forquilha para identificar onde pudesse cavar para encontrar água e não é em todo lugar que se encontra, pois existem as dificuldades naturais.

Tão logo havia a indicação do local pela vibração da vara, o “poceiro”, escavador de poços, iniciava seu trabalho a procura da água, utilizando as ferramentas apropriadas para atingir seu objetivo.
O entusiasmo era grande e a cada “enxadada ou picaretada” se aproximava do precioso líquido.
Muitos poços são profundos, variando sua profundidade de acordo com o terreno e quando se aproximava do lençol freático, encontra-se uma camada de cascalho dura e rígida para transpor, chamada de “piçarra” ou até mesmo o forte cheiro de gás natural.

O trabalho era árduo e sempre em cima na boca do poço havia outra pessoa para ajudar a retirar toda terra, através de um sarilho com corda e balde.

Depois de vários dias chega à hora da recompensa e o “poceiro” percebe que seu trabalho está se findando quando começa a aparecer os veios d’água ainda suja pela lama.

Agora começa um trabalho de limpeza dos restos da lama para que a água pura possa se alojar no fundo do poço. Chegam finalmente o grande momento tão esperado e esse poço vai poder saciar a sede de muitas vidas.
 

     Conclusão


Desta mesma forma é a vida do cristão, tendo que cavar para transpor os variados obstáculos e chegar à vitória.
Quantas vezes durante a escavação espiritual deparamos com certos problemas como o desânimo, dificuldades no seio familiar, na parte financeira, com certas pessoas, etc.

Tem momentos que deparamos com a “piçarra”, mas se formos perseverantes Deus nos coloca a ferramenta da unção do Espírito Santo e breve conseguimos deparar com os olhos espirituais a vitória que nos espera.

Precisamos trabalhar bastante com perseverança, seja na vida natural e principalmente na espiritual e não desistir, pois aquele que insiste alcança a vitória.

Os poços citados tem significados especiais, por exemplo: Eseque, significa “luta”. Sitna também foi com luta e Reobote significa “espaços largos”.

Antes de alcançarmos os “espaços largos”, muitas vezes precisamos passar por “caminhos estreitos”.

Teremos luta e provas, mas nem as lutas e nem as provas são eternas. São passageiras , pois tudo passa, com exceção da Palavra de Deus.

Deus abençoe!  Pr. Eri Carlos