A fidelidade de José - Pr. Eri Carlos

Defendendo o Campo de Lentilhas-Pr. Eri Carlos

Senhor, mostra-me o Teu Caminho

Resgatando as Ovelhas Perdidas

Resgatando as Ovelhas Perdidas
Jesus é o Bom Pastor. O bom pastor dá sua vida pelas ovelhas, ele deixa as 99 no aprisco e busca a que se desgarrou, trazendo-a em seus ombros. Enquanto perdemos nosso tempo com coisas supérfluas, muitas ovelhas estão perdidas e cabe a nós a missão do IDE para resgatar tais ovelhas que se desgarraram do aprisco do Senhor Jesus. Há uma estatística no Brasil de que 40 milhões de evangélicos pararam na beira do caminho, isso sem contar aqueles que não tiveram um encontro real com o Senhor. Não cabe a nós julgar a razão ou os "porquês", mas precisamos fazer alguma coisa para que o adversário de nossas almas não venha a se regozijar, e que o Reino de Deus venha a ser acrescentado com o número dos que hão de se salvar. Se você está desanimado ou parou nesta caminhada gloriosa, em nome do Senhor Jesus retome sua caminhada e seja um soldado de Cristo. Lembre-se que Ele deu a própria vida na cruz do calvário por mim e por ti e ainda nos garante a salvação. Deus te abençoe! Pr. Eri Carlos

Louvores Escritos

Livretes Cristãos

Bíblia OnLine

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Elevo os meus olhos para os montes

Elevo os meus olhos para os montes
Cântico dos Degraus
“Elevo os meus olhos para os montes, de onde vem o meu socorro?” (Sl 121:1).

Introdução
Logo abaixo do texto na maioria das Bíblias vemos escrito: Cânticos dos Degraus que estão entre o Salmo 120 até o Salmo 134. Em outras traduções e extraído do hebraico Shir Hamaalot (המעלותשיר), o termo correto é Cântico de Ascensões ou Cântico de Elevações (subida) a qual se descreve o caminho de um peregrino que sai da terra da perdição até chegar à casa de Deus. Esses cânticos também são chamados de cânticos de romagem (ou ramaria), isso porque Israel usavam esses hinos quando se dirigiam à Casa de Deusnas festas culturais: Páscoa, das Colheitas, e dos Tabernáculos.
Faz nos lembrar de que tinham 15 Salmos (nos Cântico dos Degraus) e também 15 degraus entre o adorador e o Templo e eram costume do povo ir citando os Salmos, enquanto iam subindo.
Dentre os Salmos vemos que há uma citação e exaltação de confiança no Senhor Deus que somente Ele pode dar o livramento, a segurança, a paz, o consolo para o desprezado, à prosperidade, a bênção familiar e o perdão. Desta forma o salmista se humilha, tem zelo pela arca do Senhor, recorda das promessas feitas por Deus, se refere à união e ao amor fraternal entre os irmãos e exorta a bendizer o Senhor.
Quantas vezemos nos deparamos com certos degraus das adversidades que sobrevêm em nossas vidas como a enfermidade, a tribulação ou até mesmo aangustia de uma língua enganadora.
Tudo isso dói, mas lembramos de Paulo e Silas na prisão que estavam feridos e machucados pelo amor do Evangelho do nosso Senhor Jesus Cristo, então subimos esses degraus orando e cantando ao Senhor.
Suba os degraus e não pare de salmodiar o Senhor Deus, pregando ainda a paz e a bondade.
De onde me vem o socorro?
Na ocasião deste Salmo, fica claro que Davi estava enfrentando problemas gravíssimos e não podia resolvê-los por suas forças e desta forma recorre ao Senhor Deus.
O Salmista engrandece ao senhor e afirma que a segurança vem de cima e não do poder humano ou bélico para vencer as adversidades.
Nada adiantaria Davi ter uma cidade edificada sobre os montes com muralhas enormes e um forte exército, se o Senhor não estiver na frente como Galardoador de guerra para dar a vitória nas batalhas.
Da mesma forma para nossas vidas vêm os problemas e parecem avolumar cada vez mais à nossa frente como que um paredão intransponível, mas nessa hora fazemos como Davi e recorremos ao Senhor dos senhores e Rei dos reis.
O salmista faz a pergunta: Elevo os meus olhos para os montes, de onde me vem o socorro?Ele mesmo tem a resposta:O meu socorro vem do SENHOR que fez o céu e a terra.
Elevar os olhos significa: Pôr num plano mais alto; alçar, erguer, levantar.
Quem eleva os olhos para os altos com fé no Todo Poderoso Deus, tem resposta.
Você tem tido esta confiança? Deus é nosso refugio e fortaleza.
Quem pede socorro?
Só pede socorro quem não tem mais forças para superar obstáculos e Deus é nosso socorro bem presente nas horas de angústia, basta crer.
Monte significa: Grande elevação natural de um terreno em relação ao solo que o cerca.
Quando citamos montes podemos recordar o que aconteceu no monte Moriá, quando Abraão já estava com o cutelo na mão para imolar Isaque, porém pela sua, Deus preparou um cordeiro, evitando que seu filho morresse. (Gn 22:1-19).
Deus tem um cordeiro preparado para você, basta crer no poder do Senhor e verá que o Cordeiro que tira o pecado do mundo está pronto para te socorrer.
No monte Carmelo pela fé Elias enfrenta os 450 profetas de Baal e 400 de Asera, onde Deus envia fogo como resposta, consumindo o holocausto e dando a vitória ao seu ungido. (I Rs 18:20...)
O maior acontecimento da história e prova de amor pela humanidade da história foi no Monte Calvário, sendo que o Unigênito Filho de Deus, Senhor Jesus, ofereceu sua vida em sacrifício pelo perdãode nossos pecados.
Qual é o tamanho do seu monte? Será que é maior do grande Deus?
Não! Nada é maior que o Senhor nosso Deus que está assentado sobre o globo da terra (Is 40:22) e eisque as nações são consideradas por ele como um pingo que cai de um balde e como um grão de pó na balança; as ilhas são como pó fino que se levanta (Is 41:15).
Lutas e provas
Olhando para a História percebemos que vários homens de Deus passaram por varias provas, porémrecorria ao Senhor Deus e a vitória estava garantida.
Na luta entre Davi e o gigante Golias, olhando pelos olhos humanos era impossível um moço como Davi derrotar um guerreiro preparado e experimentado de guerra como Golias. É que nesta peleja foi o Senhor que guiou o seu ungido, mostrando que na impossibilidade o impossível acontece para aquele que põe sua confiança no Altíssimo Deus.
Deus não desampara aquele que o busca de todo entendimento.
Podemos também citar Daniel na cova dos leões, onde o Senhor deu-lhe um livramento.
Josué ouviu a voz do Senhor e deu 13 voltas no muro de Jericó junto com o povo de Israel e o murro veio abaixo quando gritaram com todas suas forças.
Jonas quando estava no ventre do grande peixe clamou o Senhor e foi guardado por três dias e devolvido em terra seca para cumprir a missão que Deus tinha projetado para Nínive.
O rei Ezequias clamou ao Senhor Deus e foi lhe acrescentado mais quinze anos de vida.
O cego de Jericó clamava: Jesus Filho de Davi tem misericórdia de mim e Jesus se compadeceu restaurando sua visão.
Certa noite os discípulos estavam num barco e era noite, de repente o mar se agitou açoitando o barco, mas ele olha e vê alguém andando sobre o mar, chegaram a pensar que era um fantasma. Nesse momento Jesus grita para eles: Tende bom ânimo, sou eu, não temais. (Mt 14:22-27)

O apóstolo Paulo estava com mais 275 pessoas no navio que saiu da rota pelo Euroaquilão, mas Deus envia seu anjo para lhe dizer que o navio iria afundar, mas nem um dos que com ele estava perderia sequer um fio de cabelo, pois estava dando o livramento.
E quantos outros poderiam ser citados que confiaram no poder de Deus e foram socorridos pela Sua gloriosa Majestade.

Conclusão
O inimigo te humilhou?
Clame ao Senhor que é fiel e justo para te socorrer e te exaltar e dar a vitória.
“O corajoso luta insiste e vence o covarde concorda, acomoda-se e desiste”.
Depois que o Senhor Jesus foi ressuscitado, ficando ainda 40 dias na terra instruindo seus discípulos, mas chegou o momento Dele ascender e ir para o Pai, onde mais de 500 pessoas viram este evento (I Co 15:6), e enquanto olhavam para o céu vendo Jesus subir, eis quedois homens vestidos de branco diziam-lhes: “Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir”. (Atos 1:11).
Isso tudo nos fortalece para que não andemos de cabeça baixa, mas que possamos olhar para o alto, donde vem nosso socorro e aguardar a gloriosa vinda do Senhor Jesus para buscar um povo zeloso, especial e de boas obras para juntos passarmos uma eternidade de gozo e glória.
"Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, e cura trará nas suas asas; e saireis e saltareis como bezerros da estrebaria."(Malaquias 4: 2).


Oh glória!  (Pr. Eri Carlos)

terça-feira, 21 de junho de 2016

O profeta que foi morto por um leão

 O profeta que foi morto por um leão
I Reis 13...

            Sempre que meditamos na Palavra de Deus no Antigo Testamento, notamos que quando o povo israelita encontrava-se em desobediência, Deus na sua infinita misericórdia enviava-lhes um profeta avisando-os para que voltassem à razão e quando isto não acontecia acabavam sofrendo as conseqüências pelos seus atos.
            Jeroboão, filho de Salomão, tornou-se rei substituindo o pai, e fazendo tudo que não agradava aos olhos do Senhor.
            Certa vez quando queimava incenso junto ao altar, veio de Judá até Betel um homem de Deus (grifo meu) por determinação do Senhor e profetizou contra aquele altar, bem quanto ao nascimento do rei Josias (que aconteceria aproximadamente 3oo anos depois), o qual destruiria todas as obras contrárias, sacrifícios humanos e purificaria o altar do Senhor.
           
              Jeroboão ficou irado e estendeu sua mão contra o homem de Deus, ficando ao mesmo tempo ressequida. A palavra do Senhor diz em I Crônicas 16:22 “Não toqueis os meus ungidos, e aos meus profetas não façais mal”.
       Vendo o que ocorrera, Jeroboão pediu para que o homem de Deus orasse ao Senhor Deus para restituir sua mão e assim aconteceu.
Quantas vezes o inimigo usa pessoas para atingir o servo de Deus, mas aquele que está firmado na rocha eterna, nada poderá abalá-lo e o Senhor adverte veementemente aquele que se levantar contra seu ungido, pois nosso Senhor está ao redor para nos dar o escape e a vitória.

            Durante a leitura do Capítulo 13 de I Reis, pude observar que aparece 15 vezes a citação homem de Deus e mais de 70 vezes na Bíblia Sagrada.
       Eram poucos que tinham esse título concedido pelo Senhor e eram homens respeitados que procuravam cumprir a vontade do Senhor e entregar as profecias, quer para conforto ou para destruição a quem quer que fosse.
            Na atualidade também não são muitos que se podem contar como verdadeiros homens de Deus, os quais não temem mal algum e obedecem ao Senhor e que prega sua Palavra verdadeira, insta em todo o tempo.
Aquele que procura falar de um evangelho simples e verdadeiro, não deixando que o “eu” sobressaia sobre as coisas espirituais de nosso Senhor Jesus e também não é conivente com o “tudo pode, não tem problema, não tem importância, Deus quer só o coração, etc”, muitas vezes não é compreendido pelos homens, mas seu galardão está assegurado nas moradas celestiais junto ao nosso Deus.
            Aquele profeta não temeu o rei Jeroboão e profetizou contra o altar, o qual se fendeu e derramou as cinzas, cumprindo fielmente as ordens do Senhor.
            Nosso Senhor Jesus deu autoridade para aquele que crê para profetizar contra os altares que satanás tem procurado se levantar. Profetiza contra o altar de enfermidades, de angústias, de solidão, altar do vício, da parte financeira que tanto tenta afligir a humanidade, o altar das dissensões e destruição familiares, dos negócios; profetiza também contra o altar da traição, da soberba, da perseguição, da depressão, etc.
            Não importa qual seja a necessidade ou problema que está afligindo, profetiza com fé em nome do Senhor Jesus e esse problema se fenderá e cairá por terra como se fossem cinza e verás o poder de Deus.
            Logo que Jeroboão viu sua mão restituída, quis presentear o homem de Deus, sendo repreendido por este, o qual falou que não aceitaria mesmo que o rei oferecesse metade da sua casa, pois estava em missão exclusiva de Deus e não poderia desviar o objetivo e tão pouco voltar pelo mesmo caminho.
            Nosso Senhor nos adverte pela sua Palavra em Mateus 10:8 que devemos dar de graça o que de graça recebemos e jamais cobrar por algo que na verdade foi nosso Senhor que fez, honrando nossa fé.
Quantas pessoas usadas pelo adversário utilizam meios ardis para obterem vantagens e serem oportunistas dos incautos na fé, beneficiando-se de valores daqueles que ainda não conheceram e não teve o verdadeiro encontro real com Jesus Cristo, prevalecendo da simplicidade destes!
Após cumprir sua missão o profeta, continuou viagem por outro caminho, conforme fora determinado por Deus, porém em Betel morava um velho profeta que tomou conhecimento dos fatos e encilhou um jumento indo atrás do Homem de Deus.
Logo depois o encontrou assentado debaixo de um carvalho e após uma conversa cheia de astúcia mentirosa, inclusive citando que um anjo lhe ordenara voltar até sua casa, acabou por convencer o homem de Deus a retornar, onde este acabou também comendo pão e bebendo água, algo que foi explicitamente determinado pelo senhor para que não fizesse.
Deus usou o próprio profeta que o fez voltar, dizendo que ele fora rebelde e não guardara os mandamentos do Senhor e que em virtude sua desobediência seu cadáver não repousaria junto do sepulcro de seus pais.
O profeta retomou seu caminho indo embora, quando de repente foi atacado por um leão que o matou; e o seu cadáver ficou estendido no caminho, e o jumento ficou parado junto a ele.
Novamente o velho profeta ficou sabendo da situação e foi até local, encontrando o leão e o jumento que estavam parados juntos do cadáver, levando ao seu próprio sepulcro.
Nesta passagem fica registrado o que a desobediência poderá causar àquele que dá ouvidos à voz do estranho e se desvia do verdadeiro alvo e de seu objetivo.
O cristão vive constantemente em missão específica de pregar o Evangelho do Senhor Jesus e nesta missão é revestido do poder do alto, sendo necessária fidelidade, obediência e confiança para ter êxito no que foi confiado pelo Senhor Jesus.
O Senhor orienta para jamais dar lado para os certos tipos de conversas, desvirtuando do real objetivo. Satanás está à solta e se possível fosse tragaria vivo os escolhidos do Senhor, por isso é necessário vigilância em todo o tempo para não cair nas astutas ciladas do diabo.
Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca “(Mateus 26: 41)”.
O homem de Deus, a princípio cumpriu sua missão de profetizar contra o altar de Jeroboão e também profetizou sobre o nascimento do rei Josias que se cumpriu, e que foi muito temente ao Senhor desde sua tenra idade, ou seja, desde os oito anos passou a governar, aos dezesseis verdadeiramente começou a servir ao Senhor, destruindo todas as obras e holocaustos que não agradavam a Deus; purificando o templo e fazendo uma reforma com muita audácia e coragem, concedida pelo Senhor, conforme II Reis Cap. 22.
Deus havia determinado para aquele profeta para não voltar pelo mesmo caminho e tão pouco beber de algo que lhe fosse oferecido, mas ele não deu ouvido, sendo enganado por outro profeta que usou de mentiras para convencê-lo.
Todos sabemos que o único título de pai que o diabo tem é o de “pai da mentira”, que procura a enganar as nações e se fosse possível o povo de Deus.
Algo interessante é que o leão não devorou o jumento que levava o profeta, ficando até mesmo ao seu lado.
Sabemos que o leão é um animal feroz, porém naquela ocasião ele sendo um animal irracional, cumpriu sua missão específica, devorando apenas o profeta que carregava o fardo da desobediência, ele tinha um alvo certo e foi obediente.
O profeta não soube compreender a voz de Deus, dando ouvido a voz estranha que ocasionou uma fatalidade.
Quanta pessoa tem morrido carnal e espiritualmente por desviar-se do alvo e não dar ouvidos à voz do Senhor Jesus.
Na ocasião em que o profeta Elias estava na caverna, fugindo de Jezabel, veio um forte vento que fendia os montes, depois um terremoto, depois fogo e o Senhor não estava, mas em seguida Elias pode compreender uma voz mansa e delicada, a qual era a voz do Senhor (I reis 19:11).
O cristão precisa compreender a voz do Senhor, mesmo que A coloque a prova conforme fez Gideão e conforme o Apóstolo nos orienta: “AMADOS, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo” (I João 4: 1).

       Ilustração

“Certa vez um fazendeiro contratou um tratorista para fazer um trabalho em sua fazenda, onde seriam plantados cereais e era necessário trabalhar a terra”.
O fazendeiro disse ao contratado para que fizesse com seu trator leiras retas e paralelas para que a plantação tivesse um lindo visual.
O tratorista ficou um tanto preocupado, pois havia desnível no terreno, e perguntou como faria para que ficasse reto e a contento. O fazendeiro respondeu para ele fixar um alvo no final do terreno.
Quando foi à tarde o fazendeiro chegou para ver o trabalho e notou que as leiras estavam todas tortas e perguntou o que havia acontecido. O contratado respondeu que fizera conforme havia sido orientado e que fixou o alvo no final.
“Acontece que o alvo fixado era móvel, pois era uma vaca que pastava e ia de um lado para outro”.

O homem de Deus (homem e mulher, pois Deus não faz acepção de pessoas), precisa fixar o alvo Jesus Cristo e não se desviar nem para a direita e nem para a esquerda, e, tão pouco fazer como aquele profeta, voltar da caminhada, comer e beber daquilo que já havia experimentado antes, desobedecendo à ordem do Senhor e coxeando em dois pensamentos “Como o cão torna ao seu vômito, assim o tolo repete a sua estultícia” (Provérbios 26: 11).
O cristão precisa tomar atitudes do “sim, sim e não, não”, para o Senhor não existe o “talvez”. Se Deus te direcionou para fazer algo, faça, porque Ele é contigo e não te deixa na mão. Se o Senhor lhe prometeu que vai realizar o que para o homem é impossível, basta esperar e confiar no Senhor e verás as maravilhas que tem preparado para sua vida.

Deus enaltece aquele que lhe é fiel, assim como aconteceu com o servo Jó, o qual tinha um coração puro e mesmo passando todas aquelas provas da dor física e perdas incomparáveis, foi fiel até o fim, deixando-nos um exemplo de como Deus cumpre suas promessas e restitui tudo aquilo que o inimigo procura levar. Deus dá em dobro, é só confiar, não desviar do alvo e obedecer a Deus e a sua Palavra.

Deus te abençoe! 

        Pr. Eri Carlos Ribeiro

. As marcas de um servo

.   As marcas de um servo

           
            “Desde agora ninguém me inquiete: porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus”. (Gálatas 6:17).

            Um servo de marcas

Paulo, o apóstolo de Jesus Cristo foi um homem experimentado que vivenciou as marcas de um verdadeiro servo, cumprindo aquilo que o Senhor dissera, o quanto iria sofrer pelo amor do Evangelho.
É notório que Paulo nunca retrocedeu, mas que levou até o fim a cabo a missão que lhe foi confiada com todo amor e dedicação.
Por onde passava ele deixava as marcas do genuíno evangelho do Senhor Jesus e também muitas vezes padecia sentindo na própria pele as marcas do repúdio.
Muitas vezes fico a imaginar se teríamos a coragem e a certeza para afirmar o que ele disse: “Sede meus imitadores, como eu sou Cristo”. (I Corintios 1:1).

Para se dizer esta frase é necessário ter muita convicção e realmente passar pelas penúrias que passou o apóstolo sem se lamentar ou achar que o fardo está pesado demais.
Um homem com a ousadia e a coragem de Paulo para levar o evangelho realmente não é muito comum.
Quantas vezes foi preso por amor do evangelho, sendo até mesmo conhecido como embaixador em cadeias.
A princípio um embaixador poderia ser uma posição desejada por muitos, haja vista sua posição, ou seja, um representante do governo em outro país. Teria reuniões com diplomatas, seria muito conhecido, andaria em carros últimos modelos com pessoas dando-lhe segurança, vestiria as melhore roupas, etc.
Com Paulo era o oposto, sendo que ele sofreu tribulações como um malfeitor, em cadeias. Se representarmos fielmente o nosso Senhor rejeitado poderemos esperar tratamento semelhante. Porém tudo isto se ergue em profundo contraste com a pobreza, humilhação e perseguição que os embaixadores de Cristo têm sido chamados a suportar.          
 ·.
Deus dará graça e coragem: “Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza e amor, e de moderação”. (II Timóteo 1.7). 

Viajava centenas de quilômetros para falar do amor de Cristo, sem se preocupar com as adversidade, nem com seu bem estar.

Paulo escreve a Carta aos Corintios os quais tinham deixado o primeiro amor e estavam vivendo na carnalidade, relembrando-os o que tinha passado pelo amor do evangelho.

O apóstolo diz que recebeu dos próprios judeus cinco quarentenas menos uma de açoites, sendo três vezes açoitado com varas, uma vez apedrejado, sofreu três naufrágios, passou um dia no abismo. Nas viagens passava perigos nos rios, dos salteadores, de enfrentar os gentios, perigos no deserto, no mar e até entre os falsos irmãos. Passando fadiga, fome, nudez, noite sem dormir e ainda fazendo jejum (II Cor 11-24-27).
Agora de tudo isso que Paulo passou, vamos fazer um adendo com relação às chicotadas que levou. Foram 195 chibatadas, pois se dessem uma quarentena, ou seja, 40 teriam que parar, mas eles aplicavam 39 para continuarem a bater, pois o objetivo mesmo era matar.
De acordo com estudos os açoites da época eram com um chicote que tinham três tiras e pedaços de ossos e chumbo nas pontas.
O indivíduo que levasse 78 chibatadas poderia ficar com sérios problemas de saúde ou psicológicos, imagina quantas marcas que ficariam em seu corpo. Se multiplicarmos 78 por 3 que são as três tiras obteremos um total de 234; se de fato usaram um desse chicotes para açoitar Paulo, multiplicando 195 chibatadas por três teremos então um total de 585 marcas deixadas no corpo.

As marcas das chicotadas, das varadas, das pedradas ficaram pelo corpo do apóstolo Paulo e mesmo assim como um bom soldado ainda dizia; combati o bom combatem, terminei a carreira e guardei a fé. (II Timóteo 4:7).

“O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta”. (I Corintios 12:7)
           

Qualidades de um servo


a) Servir com amoro servo verdadeiro tem dedicação e amor em tudo, cumprindo com prazer as missões designadas para agradar o seu Senhor. Ele nunca serve por interesse próprio, mas defende o interesse do Seu Senhor, sem pensar em levar vantagem ou ganhar uma posição.
A passagem de Êxodo 21:1-6 mostra como um servo representava seu verdadeiro amor pelo seu senhor. No AT o servo ficava seis anos servindo seu senhor e no sétimo ano era dado a euforia para que fosse livre para ir onde quisesse. Porém alguns amavam tanto os seus senhores que não queria se apartar de seu convívio, então o dono teria que mandar furar sua orelha, sendo sinal que aquele servo queria servir de livre espontânea vontade.
Aquele que tinha a orelha furada era conhecido e visto por todos como servo do amor.
Que privilégio é esse de ser conhecido como servo do amor. Que o possamos trazer essa marca do amor em nosso viver pela misericórdia do Senhor.

b) Servir com exclusividade – Quem ama a Deus o serve de todo coração e não o trai servindo a outro senhor. A Palavra de Deus diz: “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicara a um e desprezara o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom”. (Mt 6:24).

Na ocasião que Deus mandava as pragas no Egito, sendo que a última foi à morte dos primogênitos, o Senhor lembrou-se de seu povo e teve misericórdia. Mandou que Moisés desse ordem ao povo que em cada casa matasse um cordeiro, comessem a carne e passassem seu sangue nos umbrais da porta e este sinal os protegeria da morte certa.

“E aquele sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; vendo Eu sangue, passarei por cima de vos, e não haverá entre vos praga de mortandade, quando eu ferir a terra do Egito.”. (Êx 12:13).

As empresas tem suas marcas seus logotipos exclusivos que são conhecidos, por exemplo; a Volkswagen, a Ford, a Chevrolet, a Cônsul, etc.
O cristão que tem a marca de cristo nos umbrais do coração deve ser conhecido pelo seu testemunho por onde quer que vá como propriedade exclusiva do Senhor.
Sendo propriedade e tendo a marca de Cristo ele não nos dividirá com o mundo e terá o devido cuidado e proteção com seu servo.

c) servir no anonimato – o servo de Cristo nunca procura oportunidade para aparecer ou ganhar aprovação dos homens. Simplesmente ele serve de todo coração, tem o desejo sincero, quer fazer e faz.
O servo trabalha no anonimato, trabalha nos bastidores sem a luz dos refletores para ser visto.
Quantos estão no campo de batalha ganhando almas para o Senhor, deixando parentes e até amigos, mas executado a obra no anonimato, sabendo que sua recompensa e galardão não vem dos homens, mas do Senhor dos Senhores.
Servir a Deus por fé e não por vista. Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus.

d) Servir com fidelidade e santidade – Deus é fiel para cumprir suas promessas em nossas vidas, porém requer que sejamos fieis a Ele para que possamos ser abençoados.
Aquele que teve o encontro real com o Senhor procura ser fiel obediente e viver uma vida de santificação na presença do Senhor, abandonando o velho “eu” e as concupsciências da carne.
Mesmo que venha as circunstâncias, as provações as tribulações as lutas o servo fiel não deixa de glorificar o nome santo do Senhor.
O servo precisa ser fiel no falar, no andar. No pensar, no agir, no contribuir, não negar o nome do Senhor, sendo fiel a Ele e também com os irmãos.

Disse-lhe o seu SENHOR: “Bem está, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor”. (Mateus 25:23).

““... Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. (Apocalipse 2:10).

O servo precisa buscar as mesmas características do Senhor, sendo seu imitador.
É necessário a cada dia pedir ao Senhor que nos transforme e mude, conforme Sua vontade para andarmos em santidade não só na igreja, mas onde quer que estejam.

“Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo”. (I Pe 1:16)
      
                         

Conclusão


Muitas marcas foram deixadas no decorrer de toda história da humanidade, como por exemplo, a marca da desobediência que refletia em Caim.
Caim não tinha compromissos de adorador do Senhor Deus e desta feita foi recusada sua oferta e banido do seio familiar, indo viver em outra região com a marca do pecado.
““... E pôs o Senhor um sinal em Caim, para que o não ferisse qualquer que o achasse (Gn 4:15).

Outra marca foi o concerto firmado entre Deus e Noé logo após o Dilúvio, que o mundo não mais seria inundado com um dilúvio.
“O meu arco tenho posto na nuvem; este será por sinal do concerto entre Mim e a terra”. (Gn 9:13).

No Novo Testamento a Bíblia relata que Paulo provavelmente na prisão de Roma, conhece a Onésimo um dos escravos que fugiu da casa de Filemon e é evangelizado e batizado por ele. (Filemon 1.10).
Onésimo tornou amigo e filho na fé de Paulo e sabendo que o novo convertido havia fugido da casa de um amigo, teve a iniciativa de escrever a Filemon e solicitar o recebimento de Onésimo com amor e perdão e não mais na condição de servo escravo, mas como irmão na fé, sugerindo inclusive a sua libertação. (Filemon 1.16,17).
Paulo se responsabilizou por ele e pediu a Filemon que não mais julgasse seu passado, mesmo que ele tivesse feito algo que tivesse desagradado a Filemon. (Filemon 1.18,19). Agora seria servo, mas servo do Senhor, incumbido de levar o evangelho a toda criatura.

“Já não como servo, antes, mais do que servo, como irmão amado, particularmente de mim, e quanto mais de ti, assim na carne como no SENHOR”? (Filemom 1: 16)

O homem perdido e pecador traz sobre si a marca do pecado e somente Jesus pode remover esse símbolo de destituição do Reino. (Rom.3:23-24).

Muitos proprietários de animais, especialmente os de gado, costumam marcar as reses com símbolo próprio, identificando o que é seu para não se perder.

A marca dos salvos é concedida àqueles que obedecem a Palavra de Deus e aceitam o Senhor Jesus como Seu único e exclusivo Senhor, independente de passar pelo estreito e até mesmo sair marcado.
Servir a Deus requer obediência ao Senhor e determinação para odiar e apartar do pecado.
Um servo feliz é aquele que adora a Deus com sinceridade como verdadeiro adorador, que não mede dificuldades para fazer a Obra, mas tem contentamento em Seu Senhor.

Quando decidimos ser servos de Deus, tem que ser de forma incondicional, sem tempo estipulado, sem dúvidas de que será para todo o sempre. Não devemos servir ao Senhor por aquilo que ele faz, mas por tudo que Ele é.
O registro dos homens de Deus em toda Sagrada Escritura foram servos que tiveram marcas e marcas profundas, mas consequentemente foram mais que vencedores.

Jesus Cristo já lavou nossos pecados no duro madeiro da cruz e as marcas do pecado não devem mais aparecer na vida do cristão para que possa servi-lo de mãos limpas e coração puro.
“Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus." (1CO 6:20).

Devemos fazer uma autoanálise em nossas vidas de Cristãos e algumas perguntas; Será que realmente temos essas marcas de servo? Será que temos buscado ter essas marcas? Será que algum dia tivemos essas marcas e com o decorrer do tempo viemos a perdê-las?

Todas as marcas são importantes, mas a marca que deve estar estampada na vida do servo fiel é o amor verdadeiro ao Senhor nosso Deus e ao seu próximo.

Ser servo do Senhor é um privilégio, pois foi ele que nos escolheu e mesmo que passamos por uma leve e momentânea tribulação, se tem a certeza que a coroa para o fiel está preparada.
Brevemente tudo findará as dores, as tristezas, as decepções e o Senhor enxugará toda lágrima para que vivamos o gozo eternal juntamente com Ele em Sua glória.

“Eis que os meus servos cantarão por terem o seu coração alegre...” (Isaias 65:14).

       Deus vos abençoe!

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Reconhecendo o amor de Deus

Reconhecendo o amor de Deus


“Agora, pois, perdoa o seu pecado, se não, risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito”. (Êx 32:32).

Moisés foi um homem escolhido por Deus para uma grande obra com a finalidade de libertar o povo escolhido do Senhor das mãos do Faraó, os quais estavam em cativeiro sofrendo as agruras da vida.
A conseqüência do sofrimento era pela desobediência do povo que voltou às costas para Seu Deus, andando sem Sua direção e se corrompendo pelo pecado.

Quando o povo hebreu reconheceu suas misérias chegando à conclusão que era impossível andar sem a proteção do Senhor Deus, começaram a clamar pelo Seu Santo nome.
Deus em sua infinita misericórdia e para cumprir sua Palavra ouviu o clamor do povo, então prepara tudo para libertá-los, esperando que possam servi-Lo com sinceridade de coração.

O chamado de Deus

Enquanto Moisés pastoreava as ovelhas de seu sogro Jetro ou Reuel no monte Horebe, viu uma sarça que ardia e não era consumida, aproximando-se então do local.

“E apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote em Midiã; e levou o rebanho atrás do deserto, e chegou ao monte de Deus, a Horebe”.      E apareceu-lhe o anjo do Senhor em uma chama de fogo do meio duma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia’. (Ex 3:1-2).

Tão logo chega perto Deus fala para Moisés tirar as suas alparcas, pois o local que pisava era santo.
Deus fala a Moisés de sua nobre missão, instruindo como deveria proceder quando retornasse ao Egito.

Aquele que tem um chamado do Senhor para missão deve ter a visão da sarça ardente em seu coração, conforme Êxodo 3:2-3 e Atos 7:22.

A sarça era uma planta espinhosa (um abrolho) e desta forma indica que o homem caído e destituído de Deus está sob a maldição e condenado ao lago de fogo.
Todo aquele que é chamado por Deus deve perceber que é apenas uma sarça (um pecador sob a maldição de Deus – Gn 3:17-18) com um fogo queimando em seu interior que é fogo do Espírito Santo do Deus Triúno, o Deus da ressurreição (Dt 33:16; Mc 12:26).
Quando se acende esta chama que arde dentro do se seu coração aceitando a Cristo como seu Salvador, então a maldição é queimada e se torna um vaso precioso para Deus.

Moisés obedece ao Senhor e faz tudo conforme Sua Palavra, sendo representante fiel de Deus e retirando o povo das garras de Faraó, passando pelo mar vermelho a seco, onde seus perseguidores pereceram.

Risco de morte

Depois de o povo contemplar o poder de Deus e os grandes livramentos, o Senhor fala a Moisés para subir o monte Horebe onde seria feito às tábuas da Lei que o povo deveria seguir.
Prontamente Moisés obedece e deixa Arão em seu lugar com a responsabilidade de dirigir o povo, subindo então o local indicado por Deus.
Não demorou muito para que o povo murmurasse, forçando a Arão que fizesse para eles um bezerro de ouro para adorar, alegando que o bezerro seria seu Deus, pois Moisés estava demorando e talvez nem voltasse mais.
Lá no monte Deus fala com Moisés sobre o ocorrido e também em consumir com o povo rebelde, pois enquanto se fazia os preparativos eles se corromperam, fazendo para si uma imagem para adorar.
Moisés fala com Deus que se lembre das promessas feitas aos antepassados Abraão, Isaque e Jacó que a descendência seria incontável como as estrelas do céu. Também disse que seria em vão terem saído do Egito para morrerem no deserto e que ainda ficaria em descrédito e o povo egípcio se orgulharia e riria do fracasso dos hebreus.
O Senhor se arrepende do mal que iria fazer por considerar as sábias palavras de Moisés.
Depois de descer o monte Moisés chega ao arraial e depara com a situação deplorável do povo que estavam alucinados e até mesmo despidos mostrando suas vergonhas.
No momento ele fala para separar quem é de Deus para seu lado e no dia seguinte Moisés foi encontrar com o Senhor pedindo clemência pelo pecado do povo que fizeram o bezerro de ouro. Desta forma falou ao Senhor se não os perdoasse, então poderia riscar o seu nome do Livro da Vida.
Moisés põe em risco sua própria vida por amor do povo hebreu. Um povo de dura cerviz que não estava contente com nada e sempre estava a murmurar.

“Agora, pois, perdoa o seu pecado, se não, risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito”. (Êx 32:32).

Moisés era amigo de Deus e conversava como tal e o Senhor atentou para o clamor de seu ungido, não destruindo o povo, porém fazendo-o pagar um preço pela desobediência andando pelo deserto por quarenta anos.
Os murmuradores também não puderam ver a terra prometida, ficando com seus ossos ressequidos no deserto, conforme a Palavra de Deus.

Estar no foco de Deus

A Palavra de Deus é fiel e justa para estabelecer a vontade do Senhor sobre o homem.
Deus quer que voltemos à originalidade para o que fomos formados, ou seja, para ser verdadeiros adoradores e tê-lo sempre como seu verdadeiro amigo.
O homem precisa se aproximar de Deus, depositando toda sua confiança naquele que tão somente quer que sejamos felizes.
A maneira deste contato é através da conversão e aceitando Seu Filho Jesus Cristo como mediador entre Deus e o homem.
Jesus está sempre atento às nossas petições, por isso se faz necessário ter plena comunhão com o Espírito Santo que intercede por cada um de nós mesmo que seja com gemidos inexprimíveis.
Esse contato é nos conduz pela senda da justiça e trilhamos pela senda da justiça que dá vida e vida em abundância.
Nunca olhar para trás ou se desviar do verdadeiro foco que conduz a salvação, o autor e consumador da fé, Jesus Cristo.

“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. (João 14:6).

Precisamos manter esse contato direto com o Senhor, orando, conversando e ouvindo Sua voz. Jamais retroceder quando se é chamado, vendo as confirmações a cada momento e buscando orientações divinas.

Deus espera que o amemos de todo coração, bem como o nosso próximo como a nós mesmos.

“Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu como pode amar a Deus, a quem não viu?” (I João 4: 20).

Amor ao próximo é compartilhar, ajudar e dar a honra e a precedência, assim como era a doutrina dos apóstolos no partir do pão, e nas orações, conforme Atos 2:42.
Imagine que alguém matava um boi e convidava os irmãos para juntos compartilhar na hora do banquete, um ajudava o outro em todas as ocasiões.
Seria maravilhoso se vivêssemos o evangelho primitivo, ajudando-nos mutuamente sem esperar nada material em troca.

Precisamos urgentemente rever os conceitos e agir como servos do Senhor não colocando o coração e nem se apegando com coisas matérias.
Vivemos aqui neste mundo, porém não pertencemos a ele e se faz necessário viver dentro dos padrões que Deus tem preparado para nós.
A Nação de Israel foi chamada para ser modelo para as demais nações. O povo foi escolhido para representar a Deus e sendo recompensados com as bênçãos preparadas pelo Senhor, se obedecessem a Sua Palavra recebendo-o como seu Deus.
O objetivo do Senhor era que as demais nações vissem no povo escolhido a grandeza do Senhor e também reconhecessem Sua magnitude, seguindo o exemplo de Israel.
Os hebreus viram a grandeza de Deus e também vivenciaram as bênçãos, mas nem sempre eram obedientes e se rebelavam contra o Senhor. Uma nação que faria a diferença para o mundo, sendo que não lhes faltava nada, mas que em diversas ocasiões voltava às costas para o Senhor.
Em muitas ocasiões os hebreus literalmente “pisavam na bola”, saindo do foco que foram chamados e sofrendo com isso a conseqüência da desobediência, ficando muitas vezes cativos de outros povos.
Havia uma promessa de libertação para seu povo, onde Deus enviaria o messias para libertá-los do jugo de seus opressores para todo o sempre.
Os judeus não compreenderam tal promessa, pois o Filho do Homem veio a esta terra e eles o crucificaram.
Jesus dizia que veio para os que eram seus e eles não o aceitaram e tal promessa de libertação da escravidão do adversário foi estendida a todos os povos e nações que os recebessem como seu Senhor e Deus.

Desta forma foi e é para nós, que a misericórdia do Senhor nos alcançou, pois Israel não creu no sacrifício do Mestre e nós os gentios estávamos condenado pelo pecado, mas o Senhor estendeu sua mão e nos concedeu essa dádiva de sermos também coerdeiros de Cristo, chamados de filhos de Deus.

            Não é possível descrever o grande amor do Senhor Deus que mesmo nós sendo maus e destituídos de Sua glória ele nos aceitou.

“Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda”. (João 15:16).

Israel, o próprio povo do Senhor o julgou e o feriu como a um malfeitor, crucificando-o no madeiro da cruz. Veja que raça mais perversa, levar a ser crucificado o ser humano mais maravilhoso que o mundo já viu. Jesus foi como um cordeiro para o matadouro e ainda disse:
 Pai perdoa-a lhes por que não sabem o que fazem”. (Lc 23:34).
No dia da em que o Senhor voltar a pisar no monte das oliveiras, Israel reconhecerá que Cristo é o verdadeiro messias (Zc 14:4).


Conclusão

Tudo que fizermos é impossível pagar o resgate da promissória do pecado que Jesus pagou e resgatou por nós. O amor do Senhor é fenomenal e indescritível, pois se submeteu a ser um humano como nós e passar por todas as provações desta vida por amor de todos os pecadores.
Deus nos ama demais e não quer que sejamos condenados, mas antes viemos ao conhecimento da verdade e voltemos para aquilo que fomos formados: Adoradores do Deus vivo!
Verdadeiros adoradores, humanos sendo tolerantes com nosso semelhante, amando-os em suas fraquezas, assim como nós a temos e procurando mostrar esse maravilhoso amor de Deus para com nosso semelhante.
Deus nos dá o livre arbítrio, ele não interfere em nossas decisões de servi-lo ou não, porém o desejo do Senhor é manifestado através de seu Filho Jesus, demonstrando o quanto nos quer junto dele. Deixando as vãs filosofias e vivermos realmente uma vida de santificação no meio deste mundo perverso. Sendo o povo exemplar para que os demais notem o testemunho e vejam a diferença do que serve e daquele que não serve a Deus.

Na situação descrita, fica claro a coragem, o amor e o humanismo de Moisés pelo seu povo ao discutir Deus no momento em que o Senhor falou em exterminar-lhes, deixando apenas Moisés vivo.
Ele faz de tudo por amor daquele povo, (que ao ver era de coração muito duro), mas Moisés era um homem nobre que daria sua própria vida por a eles.
Esse amor que Moisés teve pelo povo é na verdade o próprio amor de Deus que tem por cada um de nós quando nos arrependemos de nossos pecados.

Deus não procura super-homens e tão pouco mulheres maravilhas, mas homens comuns que tenha um coração de carne (Ezequiel 11:19) e que sejam simplesmente humanos.
O Senhor não procura profetas com poderes extraordinários, quem procura profetas é o povo. A glória e a recompensa daqueles que querem aparecer na mídia, dizendo “eu faço, eu sei, eu realizo”, etc., será recebida aqui mesmo. Porém aos humildes que o Senhor concede a graça de realizar em Seu nome o que a Palavra concede, conforme Marcos 16; João 14:12 e 14:26, a recompensa será na glória, coroados com êxito por serem cumpridores dos mandamentos do Senhor.



Deus abençoe – Pr. Eri Carlos